Prisão de estrela do basquete americano na Rússia é estendida




Brittney Griner ficará presa pelo menos até o dia 19 de maio, segundo agência russa. Ela foi presa pela posse de óleo de haxixe, um derivado de maconha, em aeroporto perto de Moscou.

Brittney Griner, estrela do basquete americano, teve sua prisão na Rússia ampliada até o dia 19 de maio, segundo agência russa de notícias TASS. Ela foi presa em fevereiro pela posse de cartuchos de cigarro eletrônico contendo óleo de haxixe, um derivado de maconha, em um aeroporto perto de Moscou.

Segundo informações da TASS, essa decisão da justiça russa atende a um pedido feito pelos investigadores do caso, e não garante que ela será solta após esse prazo.

Uma funcionária do governo russo, Ekaterina Kalugina, que tem acesso às prisões do país, disse à agência que Griner divide a cela com duas outras mulheres sem antecedentes criminais. Ela acrescentou que o único problema é que as camas da prisão são muito pequenas para ela, que tem 2,06 metros de altura.

Entenda o caso

A alfândega russa disse que prendeu em fevereiro uma jogadora americana quando ela chegou ao aeroporto de Moscou em um voo vindo de Nova York. Inicialmente não foi identificado que era Brittney Griner.

O motivo da prisão é que foram encontrados na bagagem dela cartuchos para vaporizadores que continham óleo de haxixe, um derivado de maconha.

O caso ainda está sob investigação e, se ela for condenada, pode ter que cumprir uma sentença de 5 a 10 anos.

Uma das jogadoras mais reconhecidas dos EUA

Brittney Griner, de 31 anos, é considerada uma das estrelas do basquete feminino dos EUA e faz parte do Phoenix Mercury, mas há seis anos ela também joga por um time russo, o UMMC Ekaterinburg, nos meses em que não tem partidas na WNBA, a liga americana.

Ela conquistou duas medalhas de ouro em Olimpíadas, um campeonato da WNBA com o Phoenix Mercury e um campeonato universitário. Além disso, foi eleita para o All-Star, a elite do basquete dos EUA, sete vezes.

Há sete anos que ela joga na Rússia durante uma parte do ano. Ela recebe US$ 1 milhão (R$ 5 milhões) por temporada — quatro vezes o que ela ganha pela WNBA. O último jogo dela na Rússia foi no dia 29 de janeiro.


Há mais de dez jogadoras americanas que também pertencem paralelamente a um clube russo ou ucraniano. Griner foi a única que não conseguiu deixar um dos dois países após a início da invasão russa na Ucrânia no dia 24 de fevereiro.

O time Phoenix Mercury declarou que estão cientes da prisão e monitoram de perto a situação de Brittney Griner.

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, disse que tem uma equipe diplomática acompanhando o caso e que busca a liberação da jogadora americana.

Fonte: G1

Postagem Anterior Próxima Postagem